» Família » Férias e Planejamento de Viagens » Como escolher os restaurantes no Mediterrâneo

Como escolher os restaurantes no Mediterrâneo

Galeria
Como escolher os restaurantes no Mediterrâneo

Neste artigo vamos ver como se encontram e se escolhem restaurantes no Mediterrâneo.

Em qualquer país europeu da bacia mediterrânica, na Turquia, em Israel e nas grandes cidades e centros turísticos do Norte de África, os viajantes podem encontrar com maior ou menor dificuldade cadeias de “fast food” (hamburguesas, cachorros quentes, etc.) e restaurantes com cozinha internacional, onde, pelos mais variados preços, não faltam o “bife com batatas fritas” e outros pratos semelhantes, para quem não deseja experimentar a gastronomia típica dessa parte do mundo.

O que se propõe neste artigo é um roteiro gastronómico pela cozinha mediterrânica, em particular as cozinhas portuguesa, espanhola, francesa, italiana, grega, israelita e árabe, turca e do norte de África.

A imagem mostra um prato típico da Grécia, a “pikilia”.

Dificuldade
Fácil
Instruções
  1. 1

    COZINHA MEDITERRÂNICA

    A cozinha mediterrânica é uma cozinha que utiliza os produtos de cada estação do ano.

    Nesta cozinha o trigo tem uma particular importância, principalmente o pão, e ainda os legumes e a fruta, com relevância para as uvas e os citrinos, designadamente a laranja.

    Os legumes podem comidos cozidos ou em salada, temperada com azeite e ervas aromáticas, como os orégano, a salsa, a hortelã e os coentros. As azeitonas são muito apreciadas.
    Também o tomate, a cebola e o alho são utilizados na confecção de diversos pratos.

    O peixe e o marisco são bastante consumidos e cozinhados de diversas formas (grelhados, cozidos, refogados, caldeiradas, etc.).

    Nos pratos de carne o porco apresenta uma grande utilização (cozinhado ou na fabricação de enchidos), com exceção dos países islâmicos, por motivos religiosos.

    O leite é utilizado na confecção de queijos.

    Nos países europeus poderá encontrar vinhos tintos e brancos de grande qualidade, e por vezes de preço acessível, feitos a partir de diversas castas de uvas.

    A dieta mediterrânica é considerada uma das mais saudáveis do mundo.

  2. 2

    COZINHA PORTUGUESA

    Embora Portugal não esteja na bacia do Mar Mediterrâneo, a sua gastronomia tem uma importante influência mediterrânica, principalmente nas regiões do sul do país, embora tenha também influência oriental devido às especiarias introduzidas no período de expansão ultramarina..

    A cozinha portuguesa utiliza os legumes, as ervas aromáticas, o peixe e o azeite, bem como o pão na alimentação quotidiana.

    O peixe é cozido ou grelhado, e ainda refogado, nas caldeiradas.

    A carne predominante é o porco, que pode ser grelhado, assado ou refogado, e também na preparação de enchidos (chouriço, paio, morcela, etc.).

    O marisco, em particular os bivalves (ameijoas, berbigão e mexilhão), são consumidos com frequência, e cozinhados de diversas maneiras.

    Para além dos pratos de bacalhau (existem 1000 formas de cozinhar este peixe), verdadeiro “ex-libris” da cozinha portuguesa, os pratos mais típicos são a “feijoada”, o “cozido à portuguesa”, o “cabrito assado” , as “açordas” (feitas com pão) e as sardinhas assadas, acompanhadas de batatas cozidas e salada, tudo regado com azeite.

    A doçaria predominante é a “conventual”, onde predominam os ovos e as amendoas, e ainda os “pasteis de nata”, os “pasteis de Belém” e as “queijadas de Sintra”.

    Portugal produz queijos e vinhos de excelente qualidade.

  3. 3

    COZINHA ESPANHOLA

    Em Espanha a cozinha mediterrânica predomina nas regiões autónomas da Andaluzia, Comunidade Valenciana, Ilhas Baleares e Catalunha, privilegiando-se o peixe, marisco, os vegetais, o pão e o azeite. A Andaluzia é um importante produtor de citrinos, principalmente laranjas.

    Na Andaluzia podem encontrar-se pratos típicos como pequenos peixes fritos, sopas frias, como o “gaspacho”, o presunto serrano e filés de lombo de porco recheados e panados (“flamenquín”). Também se encontram nesta região bebidas alcoólicas licorosas, como o anis e o Xerez.

    Na Comunidade Valencia a grande especialidade são as “paellas”, um prato feito à base de arroz, e que inclui marisco, carnes de porco e frango, peixe e pimentos.

    Na Catalunha, entre as especialidades gastronómicas encontram-se pratos combinados de peixe, carne e legumes (“platos de mar y muntanya”) e o “suquet”, um molho de peixe.

  4. 4

    COZINHA FRANCESA

    A cozinha mediterrânica surge em França nas regiões de Languedoc – Roussillon, Midi – Pyrénés, Provence – Alpes – Côte d'Azur e na ilha da Córsega.

    No Languedoc – Roussillon podem encontrar-se pratos de mariscos bivalves (ostras e mexilhões), pratos de caça e um prato feito com bacalhau picado, leite, azeite e alho (“brandade de Nîmes”).

    Na região de Midi – Pyrénés os pratos típicos mais conhecidos são o “cassoulet”, um feijoada com carne de carneiro, o “foie gras” e os queijos, dos quais se destaca o “roquefort”.

    A “bouillabaise”, uma sopa de peixe e tomate, o “ratatouille”, um estufado de legumes, e os pratos de peixe e marisco e a “salade niçoise” constituem as mais importantes amostras gastronómicas da região de Provence – Alpes – Côte d’Azur.

    Os vinhos destas regiões, em particular os de Midi – Pyrénés, são de boa qualidade.

  5. 5

    COZINHA ITALIANA

    As maiores especialidades da cozinha italiana, conhecidas em todo o mundo, são os pratos de massa (“spaghetti”; “raviloli”; “lasagna” – “la pasta”) e as “pizzas”.

    No sul do país, na Sardenha e na Sicília a influência mediterrânica faz-se sentir mais na culinária.

    Por toda a Itália existem bons queijos e vinhos.

  6. 6

    COZINHA GREGA

    A gastronomia grega é fortemente mediterrânica, utilizando legumes, peixe, carnes de porco e de aves, sopas, pão, azeite, queijo (principalmente da variedade “feta”), iogurte,azeitonas, louro e ervas doces e aromáticas.

    De entre os pratos típicos da Grécia destacam-se a “pikilia”, uma mistura de carne de porco e galinha, peixe marisco, lulas, polvo, batatas fritas e legumes, espetadas de carne, peixe ou marisco, empadas de massa folhada com recheio de queijo, legume e carne (“boureki”), “salada grega”, com tomate, pepino e pimento, temperados com azeite, sal e orégãos, ovas de peixe com batatas (“taramosalata”), sopa de lentilhas e com queijo feta (“taki”) e “fasolada”,uma sopa de feijão com tomate e azeite.

    A doçaria é feita à base de mel, nozes e massa folhada.

    A Grécia também tem vinhos de qualidade, e entre as bebidas alcoólicas destaca-se o “ouzo”, que é uma bebida espirituosa com sabor a anis.

  7. 7

    COZINHA ISRAELITA

    A cozinha israelita tem influências árabe (“homus” – pasta de grão e gergelim, temperada com azeite; “falafel” – bolos de grão acompanhados de “pão sírio” (“pita”) e salada; “shawarma” – finas fatias de carne de vaca ou de galinha, assadas num espeto vertical, acompanhadas com “pão sírio”; “kebab” – espetada de carne) e dos povos centro-europeus (“gelite fish” – bolos de carpa; arenque salgado).

    Para os judeus praticantes a cozinha tem que seguir leis estritas judaicas (a comida pura ou “kosher”), estando-lhes vedado o consumo de carne de porco e marisco, e o pão não deve ser fermentado (“pão ázimo”).

  8. 8

    COZINHA ÁRABE, TURCA E DO NORTE DE ÁFRICA

    A cozinha destas regiões utiliza em abundância os produtos lácteos (iogute; queijo branco; manteiga), especiarias (canela, pimenta, caril, açafrão, etc.), arroz, lentilhas, vegetais, frutas (laranjas, tâmaras, melões, etc.), frutos secos (amendoas, nozes, pinhões, etc. – um prato conhecido é o “arroz árabe”, feito com pinhões) e ervas aromáticas.

    Cozidos, grelhados e espetadas são a base desta culinária.

    Por motivos religiosos a carne de porco está interdita, utilizando-se principalmente a galinha e o cordeiro.

    Como também as bebidas alcoólicas não são permitidas, as mais consumidas são o chá, em particular o chá de menta e o café, frios ou quentes e fortemente açucarados.

    O “café turco” é forte e espesso e tem uma grande quantidade de borras.

    Em Marrocos e na Tunísia os pratos mais conhecidos são os “cuscuz” (sémola cozida, com legumes e carne) e a “tagine”, que é um cozido de vegetais, tomate e carne.

    Em particular nos países do Maghreb sentem-se as influências da cozinha francesa e da cozinha italiana.

Comentários
blog comments powered by Disqus