» Casa » Conserto e Manutenção Doméstica » Como fazer instalação eletrica

Como fazer instalação eletrica

Galeria
Como fazer instalação eletrica

Neste artigo vamos aprender como se faz instalação elétrica. Uma vez que se trata de um tema muito vasto, que abrange vários níveis de tensão, ou voltagem, e vários tipos de utilizadores (residências, shoppings, galpões, industria, subestações, etc.), iremos centrar o artigo em como fazer a instalação elétrica de um lugar residencial, alimentado em baixa tensão (BT).

Uma instalação diz-se de baixa tensão quando a tensão de alimentação e de utilização é inferior ou igual a 1000 V (volts).

No Brasil, as tensões nominais padronizadas de baixa tensão são:

- Alimentação trifásica: 220/127 V e 380/220 V.

- Alimentação monofásica: 254/127 V e 440/220 V.

A imagem mostra um quadro elétrico.

Instruções

Coisas que você precisa

  • Interruptores
  • Quadro de distribuição
  • Quadro do medidor
  • Chaves de boca e estrela
  • Máquinas de furar
  • Condutores
  • Caixas
  • Alicates de eletricista
  • Chaves de parafusos
  • Eletrodutos
  • Tomadas
  • Escadotes
  • Eletrodo de terra
  1. 1

    A CONCEPÇÃO DA INSTALAÇÃO

    O primeiro passo para fazer instalação elétrica de um lugar é realizar o seu Projeto Executivo. Esse projeto, bem como os trabalhos subsequentes de montagem, têm que obedecer ao especificado na norma NBR 5410:2008, elaborada pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Podemos considerar duas etapas no projeto: cálculo e dimensionamento e desenho.

    Para o cálculo e dimensionamento é necessário:
    - Levantamento da potência ativa total (em watts), de acordo com as potências mínimas previstas para iluminação e tomadas.
    - Cálculo do número de pontos de luz e de pontos de tomada, quer para uso geral (PTUG), quer para uso específico (PTUE), tais como chuveiros, torneiras elétricas, secadores e lavadores de roupa e aquecimento ou ar condicionado, bem como o levantamento das respectivas potências.
    - Dimensionar o circuito de distribuição, entre o quadro do medidor e o quadro de distribuição ou quadro de luz.
    - Definir o número de circuitos terminais, para os pontos de luz e de tomadas, e calcular as respectivas correntes elétricas, em amperes (A).
    - Calcular a bitola ou seção padronizada dos condutores (fios ou cabos) desses circuitos.
    - Calcular o diâmetro interno dos eletrodutos onde serão instalados os condutores.
    - Dimensionar os disjuntores (cálculo da intensidade nominal) a aplicar no quadro do medidor e no quadro de distribuição (de entrada e de proteção dos circuitos terminais).
    - Escolher se os eletrodutos serão embutidos ou não.
    - Localizar os quadros do medidor e de distribuição.
    - Decidir se é necessária a proteção contra surtos.


    A etapa seguinte é a do desenho da instalação, que é constituído por:
    - Esquema do quadro de distribuição.
    - Planta, ou plantas, com a localização dos quadros, dos pontos de luz e de tomada e dos interruptores de comando da
    iluminação, e com a representação gráfica da fiação (caminho dos eletrodutos e o seu diâmetro nominal e número, bitola e função de condutores instalados em cada eletroduto).

    Os símbolos gráficos dos desenhos têm que estar de acordo com a norma NBR 5444.

  2. 2

    ASPETOS IMPORTANTES DA NORMA NBR 5410 PARA FAZER INSTALAÇÃO ELÉTRICA

    Realçam-se alguns aspetos importantes da norma, para fazer a instalação elétrica:
    - O quadro de distribuição tem que ser ligado a um eletrodo de aterramento e dispor de terminal de aterramento.
    - Tem que ser instalado um condutor de proteção ou de terra para ligação a todos os pontos terminais.
    - Recomenda-se a utilização de proteção diferencial residual (DR), que pode ser associada ao disjuntor ou interruptor de entrada ou aos disjuntores de proteção dos circuitos terminais. É contudo obrigatório o seu uso nos circuitos terminais para pontos de luz e de tomada de cozinhas, copas, banheiros com banheira ou chuveiro, lavanderias, áreas de serviço, locais interiores molhados e tomadas de áreas externas; estes DR têm que ser de alta sensibilidade (30 mA).
    - A corrente dos circuitos de iluminação e de PTGU está limitada a 10 A. Circuitos independentes devem ser feitos para correntes superiores a 10 A (caso dos PTUE, por exemplo).
    - Em cada lugar residencial têm que existir pelo menos 4 circuitos terminais: 1 para pontos de luz; 1 para PTUG; 2 para PTUE. Os circuitos para iluminação e tomadas têm que ser separados.
    - Em cada cômodo ou outras dependências tem que existir, pelo menos um ponto de luz no teto e um PTUG.
    - A bitola mínima dos condutores é 1,5 mm2 para iluminação e 2,5 mm2 para outros fins (força, por exemplo).
    - As cores dos condutores são: fase – vermelho; retorno – preto; neutro – azul; terra – verde ou verde/amarelo.
    - O diâmetro interno dos eletrodutos deve ser tal que a soma das seções retas dos condutores não seja superior a 40% da área útil do eletroduto.

  3. 3

    O TRABALHO DE FAZER INSTALAÇÃO ELÉTRICA.

    O trabalho de fazer uma instalação elétrica deve ser realizado por profissionais com formação específica –os eletricistas.
    Concluído o projeto, o primeiro passo para fazer a instalação elétrica é o levantamento do material, utilizando para tal as plantas para contar os equipamentos e medir os eletrodutos e os condutores.

    Depois de comprado o material necessário dá-se início à realização do trabalho, pela seginte ordem:
    1º Montagem dos eletrodutos e caixas.
    2º Colocação dos condutores no interior dos eletrodutos.
    3º Montagem dos quadros e do eletrodo de aterramento.
    4º Colocação dos pontos de luz e de tomada e dos interruptores.
    5º Ligação dos condutores em ambas as extremidades.
    6º Teste da instalação.

    É também necessário fazer o padrão de entrada, de acordo com as instruções da companhia de eletricidade do lugar onde se encontra a residência.

Comentários
blog comments powered by Disqus